Xiaomi e Meizu são flagradas trapaceando em apps de benchmark

Poucas polêmicas do mundo mobile têm tanta repercussão quanto a de quando se descobriu que diversas das principais fabricantes de smartphone trapaceavam nos aplicativos de benchmark. Na época, Samsung, ASUS, Sony, LG e outras foram os alvos da polêmica

Basicamente, quando o aparelho detectava que um aplicativo de benchmark estava rodando, o hardware aplicava uma espécie de “auto overclock” artificial. Assim, as pontuações obtidas não condiziam com a potência do dia a dia do smartphone.

Quando tudo foi descoberto, quase todas as envolvidas na trapaça deram desculpas afirmando que isso na verdade era uma função que utiliza mais do hardware quando ele é requisitado. Pura bobagem. Pelo menos, prometeram não continuar com isso e de fato, depois de um tempo, pararam.

Mas parece que algumas fabricantes chinesas não lembram do caso de alguns anos atrás e foram pegas no flagra fazendo praticamente a mesma coisa. É o caso de pelo menos Xiaomi e Meizu.

Um teste revelou que o OnePlus 3T, por exemplo, mantém núcleos de seu processador em clocks acima do que deviam estar durante o uso de certos aplicativos. E claro, alguns deles são de benchmarks. Outra empresa identificada na prática foi a Meizu, que tornou isso possível com uma atualização ao Pro 6 Plus.

Por que não é uma função?

Diversas fabricantes colocam hoje a possibilidade de alternar entre modos de performance, o que é interessante. Quando o mais importante é a bateria, o usuário pode alterar a performance para inferior.

E é natural que certos aplicativos ativem o uso maior do processador, por exemplo. Contudo, nos dois casos acima, os aplicativos que ativam a função são listados “por nome”. Ou seja, as fabricantes deliberadamente miraram aplicativos populares de benchmark.

Como o propósito de benchmarks é testar a performance natural do smartphone em comparação aos outros, algo assim acaba com a neutralidade. É uma ação deliberadamente de trapaça.

Em resposta, a Xiaomi afirmou que:

“Para dar aos usuários uma melhor experiência em apps e jogos pesados, especialmente os que requerem muito graficamente, implementamos certos mecanismos nas builds Nougat para o processador rodar mais agressivamente. O processo de ativação para apps de benchmark não estará presente nas próximas builds do OxygenOS do OnePlus 3 e OnePlus 3T.”

Por enquanto a Meizu não se pronunciou. Vamos ver se a novela acabará por aí, pois isso certamente fará novos testes serem realizados para descobrir outros trapaceadores.

Fonte: XDA

Anterior «
Próximo »

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X