Isso mesmo que você leu ao título deste artigo.

 O avanço de nenhuma tecnologia foi incentivada no que gostamos ou no que preferimos. A tecnologia avança sempre para a praticidade, beleza e usabilidade.

 Com o anúncio de que a Apple não terá uma entrada P2 para fones de ouvidos, vários usuários de outras plataformas caíram queimando em cima da Apple por este motivo. Sim, tirando o super faturamento que a Apple jogou por cima do fone de ouvido sem fio dela, a adoção de mais um acessório sem fio é algo que todos os usuários de smartphones deveriam ficar feliz com isso. Hoje existem vários fones de ouvidos que se conectam via Bluetooth, uma conexão sem fios com smartphones, tablets, o som do carro e até seu computador. O grande porém é que nem todos entregam uma qualidade desejável.

 Mas e então? Se a maioria já não entrega uma qualidade desejável, por que devo ficar feliz com fones de ouvido sem fio? Qualquer tecnologia que avança tem seu início. O primeiro iPhone tinha seus problemas, não respondia bem aos toques, não tinha loja de aplicativos, bateria não durava 5 horas, etc. Mas este primeiro iPhone serviu de base para a existência dos excelentes aparelhos que temos hoje, não só da Apple, mas de outras fabricantes também. Os fones de ouvido sem fio cria as mesmas expectativas, e mesmo a Apple não sendo a primeira a inventar essa moda, ela é certeira de continuar ela. As demais fabricantes devem também acabar testando fazer o mesmo. Empresas como a Samsung normalmente ficam com o papel e caneta atrás da Apple vendo como as coisas vão ir com este novo acessório e irá implementar se necessário. E não é só a Samsung que faz isso antes que venha as piadinhas, a Apple em si fez isso em seus atuais smartphones, pegando funções que acharam úteis nos aparelhos Android, como a resistência de água e poeira, assim como aumentar o espaço interno mínimo de seus aparelhos, uma vez que no lado do robô, os aparelhos com menos de 32 GB de memória interna se tornou comum apenas nos aparelhos mid-end e de entrada. Mas voltando ao assunto dos fones de ouvidos, a inclusão disso causará com que algumas empresas também pratique a mesma coisa, aumentando investimentos de empresas para entregar um fone de ouvido de maior qualidade e no mundo competitivo, diminuir também os preços para sobreviver.

 Entendemos os transtornos que alguns usuários terão com o fone de ouvido em padrão novo no iPhone, mas levando em consideração as outras coisas que vieram sem fio e ninguém sequer testou, mas critica. É melhor forçar o usuário a experimentar antes que ele critique. Um exemplo? Todo aparelho da Samsung desde o S6 vem com a função de carregamento sem fio na caixa, basta ter a base para isso. O grande porém é que ninguém sequer usa ou tem interesse de usar porque está acostumado aos fios de antigamente. Se os aparelhos da Samsung viessem com entrada para o cabo USB e sem um adaptador na caixa, o usuário seria obrigado a experimentar a nova função caso ele tenha interesse no aparelho. Às vezes, as empresas precisam ser bem extremistas para que o usuário se desapegue do passado. Concordamos que existem benefícios no carregador pelo cabo, como poder usar o aparelho mesmo com ele carregando e vários outros motivos que vocês podem citar nos comentários. Usamos disso apenas como um exemplo.

 

Querendo ou não, a tecnologia não depende sempre de nossa aceitação. Largamos dos aparelhos com telas de plástico, mesmo ela sendo mais resistente que as de vidro para ter um produto mais fino e mais bonito. Largamos dos aparelhos mais simples para ter mais funcionalidade e usabilidade. As empresas podem até tentar retomar algumas dessas ideias novamente no futuro, como a Motorola/Lenovo, que fez o Moto X Force criando um display completamente de plástico para torná-lo mais resistente. Mas no comum isso acontece, e por mais que reclamamos e eles nos responde que está nos ouvindo, nem sempre vão nos dar o que queremos, pois existem muitos de nós usuários que não queremos avançar por estar satisfeitos com o que temos, mas para empresa alguma é lucro não evoluir. Apresentar novas propostas e aplicar elas sempre será algo de lucro para as empresas no ramo de tecnologia.
Sobre o futuro, tudo de fato nos leva a um futuro com os fios conectados em nossos aparelhos. Smartphones já por si são dispositivos sem fio, um avanço dos telefones sem fio com base que ficam em casa e são usados até hoje. Talvez o futuro seja apenas um display sem nenhuma entrada para nada tudo passando e saindo pelo aparelho de forma wireless, ao menos é este o futuro que parece estar à nossa frente. Ou quem sabe tudo isso não mude e nem display os smartphones do futuro tenha.

2 Responses

  1. Jordel Ramos

    Sempre é válido novas experiencias, lembro da dificuldade que era ter o teclado virtual em um Smartphone e hoje ninguém mais se interessa no teclado físico.
    Mas acho que a evolução deve ser mais natural e não ser enfiada guela abaixo do consumidor, tirar a entrada do fone de ouvido só cria dificuldades mas nenhuma facilidade, sendo que qualquer aparelho hoje se conecta ao fone bluetooth e aos tradicionais com fio.
    A entrada P2 dos aparelhos permite a escolha de qualquer modelo de fone de ouvido independente de tamanho e qualidade além de caixas de som convencionais ou ampplificadores e isso é importante para o usuário, sem falar que fones Bluetooth gastam bateria e isso piora ainda mais a autonomia fraca dos aparelhos.
    Vejam a entrada HDMI dos antigos androides, podíamos espelhar a tela e usar um teclado sem fio ou USB na entrada OTG alem de pendrives, hoje temos o MHL que so deixa usar um por vez e por mais que o espelhamento sem fio seja pratico, ele não é eficiente.
    Evolução deveria simplificar ao ponto de não querermos mais o antigo.

    Responder
  2. Luis Gustavo

    Idéias interessantes e que dão um bom debate.
    Mas vai aqui uma crítica construtiva, precisam dar uma revisada melhor nos textos antes de publicar, erros de gramática, principalmente de concordância estão presentes no texto.
    No mais, ótimo conteúdo.

    Responder

Leave a Reply

Your email address will not be published.